quinta-feira, 28 de agosto de 2008



..... E assim foi
O Bota-Abaixo da NAU PORTUGAL



video



Publicado por Senos da Fonseca

quarta-feira, 9 de abril de 2008




IMPORTANTE!


Atenção: O Blog Nau Portugal terá continuidade no novo Blog
«200anosdacosta-nova.blogspot.com


O novo blog será publicado a partir de 15 do corrente ,e comemorará os 200 anos da Fundação daquela praia.


Para aceder ao novo Blog clique aqui

ou através do site



Senos da Fonseca
Este Blog terá continuidade com o Blog «200anosdacosta-nova»

Terá ínicio a partir de 15 de Abril corrente.

Para aceder ao novo Blog cliqueaqui



Importante .Tome Nota


Este Blog terá continuidade no novo Blog «200anosda costa-nova».


que será publicado ,semanalmente a partir de 15 de Abril.


Para aceder ao mesmo pode clicar aqui.
ou acedrer via site www.senosfonseca.com


Senos da Fonseca

segunda-feira, 7 de abril de 2008



De facto uma Nau, a «VASA KRANTAR», de 69 m de comprimento, 11,70 m de manga e 3,9 m de calado e, com um deslocamento de 1200 Ton, na sua primeira viagem realizada em 10.08.1628, depois de singrar umas breves centenas de metros, à primeira sopradela vento, voltou-se. E afundou-se, perante o olhar de espanto de uma multidão que tinha acorrido para apreciar aquela que se dizia ser, a unidade definitiva, com que Adolfo Gustavo II pretendia aniquilar a
Polónia.
Permaneceria três séculos no fundo do mar.
Em 1961 o Eng.º Anders Franzen conseguiu obter o interesse do rei da Suécia, Adolfo Gustavo IV - curiosa coincidência - e conseguiu erguer o barco em 24.04.1961.
Depois de tratada e recuperada, foi levada para o Museu de Estocolmo.

8.2 - A HISTÓRIA REPETE-SE EM 1992

Em 1992, mais recentemente, uma das embarcações destinadas a comemorar a viagem de Colombo, posta à água em Espanha para ser exibida na Feira Internacional de Sevilha, sofreu idêntico destino, deitando-se nas águas, aquando do seu lançamento à água.


Senos da Fonseca
MARÇO 2008

domingo, 30 de março de 2008









(Fascículo27)





Para Salazar, “a alma vivificadora da exposição, ia a coroa radiosa de flores da sua Obra Monumental” - podia ler-se à época nas edições das revistas, dedicadas à mesma.

8 - HISTÓRIA REPETIDA

A imprudência e algum primitivismo - e ou empirismo -, certamente advindos da ideia da construção ser proveniente de uma Comissão mais preocupada com o esplendor do que no respeito por exigências técnicas, não permitiu que se tivessem tomado as cautelas necessárias para evitar o contratempo acima relatado.







fig. 26 - O volteio da «Vasa»



E o certo é que nos arquivos da história havia exemplos que mereciam atenção e uma tomada de especiais cautelas aquando da decisão de se construir a Nau.


8.1 – A «VASA KRANTAR»


fig. 27 - A «Vasa» no Museu de Estocolmo



De facto uma Nau, a «VASA KRANTAR» de 69 m de comprimento, 11,70 m de manga e 3,9 m de calado, com um deslocamento de 1200 Ton, na sua primeira viagem realizada em 10.08.1628, depois de recorridos umas centenas de metros, à primeira sopradela vento, voltou-se. E afundou-se, perante o olhar de espanto de uma multidão que tinha acorrido para apreciar aquela que se dizia ser, a unidade definitiva com que Adolfo Gustavo II pretendia aniquilar a Polónia.
Permaneceria três Séculos no fundo do mar.
Em 1961 o Eng.º Anders Franzen conseguiu obter o interesse do rei da Suécia Adolfo Gustavo IV - curiosa coincidência - e conseguiu erguer o barco em 24.04.1961.


Depois de tratada e recuperada foi levada para o Museu de Estocolmo.

fig-27 A Vasa no Museu de Estocolmo

quinta-feira, 20 de março de 2008



(fascículo 26)





Em espaço contíguo tinha lugar uma exposição sobre o «Vinho do Porto». Representações da «Companhia de Diamantes» e da «Companhia Colonial de Navegação» poderiam ser, ainda, apreciadas.
Na coberta principal alinhava-se a «Ala dos Mercadores», verdadeiro mercado em exposição a fazer lembrar os encontros com povos nativos, que iam sucedendo ao longo das viagens,e aproveitados para trocas comerciais.


fig. 24 - A coberta dos canhões

No castelo de proa da Nau funcionava um restaurante posto ao serviço dos visitantes ; nos porões podiam ser apreciadas(e provadas) mostras de vinhos portugueses ; no terceiro deck ficava a casa da Capitania.
A réplica daquele que teria sido um Galeão do séc. XVII - XVIII, executado em madeiras portuguesas e outras, vindas do Brasil, aparentava um tom de mel escuro, acolhedor, doce, sedoso e apaixonante.
Admite-se ter sido visitada por cerca de TRÊS MILHÕES de pessoas tendo-se mantido em exposição até ao dia 2 de Dezembro do ano de 1940.
(cont)